FacebookMySpaceTwitterDiggDeliciousGoogle BookmarksTechnoratiLinkedinRSS FeedPinterest

Últimas Notícias

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativa
 

Da Redação Jornal Boca Online
Foto: Denise Giovannetti
Vídeo: Dario Martin


Balneário Camboriú, SC – Na tarde desta segunda-feira (28), uma confusão generalizada foi registrada na loja Multiclick da Quarta Avenida, inclusive com agressões físicas. E para piorar a situação da empresa, o Ministério Público catarinense conseguiu uma liminar na justiça que bloqueia as atividades da empresa.Um vídeo postado no Facebook por Dario Martin (Minha BC), mostra o momento em que os ânimos de clientes e seguranças se exaltam.

Um grupo tenta entrar na loja. Os seguranças a todo o momento se mostram bastante indelicados e prontos para um suposto combate. Logo no início um dos funcionários grita a uma cliente: “Vai entrar ou não?”.Logo em seguida um homem tenta entrar, momento em que ele é empurrado por cinco seguranças, sendo que um o agride com socos e pontapés. Uma mulher loira, também aparece no vídeo, ela tenta entrar na loja, mas também é agredida e empurrada pelos seguranças. O desentendimento teria ocorrido em decorrência da distribuição de senhas.

Em seguida a Polícia Militar foi acionada. De acordo com o tenente Rafael Zancanaro, a mulher representou contra o segurança, e foi lavrado no local um Termo Circunstanciado (TC). Falou que ela estava com uma lesão na face e, segundo Zancanaro uma audiência foi agendada para as duas partes. Também pelo Facebook, o promotor de justiça Rosan da Rocha comunicou que o Ministério Público, após investigações, inclusive em um inquérito Civil conseguiu uma liminar na justiça da Capital contra a Multiclick.

Explicou que a determinação bloqueia e torna indisponível vários bens móveis e imóveis de sua propriedade e dos seus sócios proprietários, por considerar ser uma empresa que exerce a prática ilegal de pirâmide financeira, prejudicando os consumidores. Ainda em seu comentário, o promotor pede para que os possíveis lesados, se desejarem, entrem em contato com ele através de endereço eletrônico, ou se dirijam pessoalmente a 6ª Promotoria de Justiça para realizar a reclamação pessoalmente.

Twitter