A informação chega primeiro aqui!

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Notícias Polícia

Polícia Militar flagra "farra do boi" em Porto Belo

Aconteceu na noite desta segunda-feira no bairro Vila Nova

Polícia Militar flagra
Reprodução (Imagem meramente ilustrativa)
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Um flagrante de maus tratos contra animais aconteceu na noite desta segunda-feira, no Centro de Tradições Gaúchas do bairro Vila Nova, em Porto Belo. A prática conhecida como "farra do boi" acontece durante a Quaresma nas comunidades de descendência açoriana no litoral de Santa Catarina, mas é proibida por lei.

Por volta de 21h30 ua viatura da Polícia Militar recebeu a informação que no final da rua dos Samagaias estaria acontecendo a prática de farra de boi. A guarnição deslocou para averiguação. No local o Grupo de Operações e Resgate (GOR) já se fazia presente.

O integrante do GOR, relatou que sua equipe foi acionada para averiguar uma "denúncia" de farra do boi, que chegando ao endereço indicado, o fato foi constatado e o animal encontrado, contudo os farristas se embrearam na mata densa e se evadiram antes da chegada da polícia. 

A equipe estava aguardando a chegado do laçador para capturar e remover o animal ao sítio do GOR e posteriormente ao CIDASC. Com a chegada do apoio, após algumas horas o animal foi laçado e removido.

O QUE É - A Farra do Boi é um ritual típico do litoral do estado brasileiro de Santa Catarina, desde 1997 considerada ilegal. O ritual consiste em soltar um boi em um local ermo e agredir e provocar (ou "farrear") o animal, fazendo-o correr atrás das pessoas que participam da prática. Apesar de criminalizada em todo território nacional desde 1998 ela ainda acontece às escondidas.

A prática possuía herança cultural dos pescadores portugueses, que na época a justificavam como sendo o boi uma personificação de Judas, do diabo ou do sofrimento de Jesus Cristo, durante a quaresma.

Diversos grupos defensores dos direitos dos animais a consideram cruel e degradante.[2] As autoridades catarinenses estão empenhadas para aplicar sanções legais aos farristas.[3][4] Além da pena de prisão há uma pena de multa.

FONTE/CRÉDITOS: IMPRENSA DO 31º BPM e Wikipédia, a enciclopédia livre
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!