A informação chega primeiro aqui!

Terça-feira, 21 de Marco de 2023

Colunas/Informa & Comenta

Elizeu Pereira e Magali Ignácio entram no primeiro escalão do Fabrício

João Koeddermann assume cadeira na Câmara de Balneário Camboriú

Elizeu Pereira e Magali Ignácio entram no primeiro escalão do Fabrício
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

POSSE - Está agendada para sexta-feira (3) a solenidade de posse do sub-prefeito da Barra Sul, Elizeu Pereira, e de Magali Ignácio no BC Trânsito. Será no gabinete do prefeito Fabrício Oliveira (PL), às 14 horas. 

CONSOLIDANDO - Estas posses consolidam o embarque do MDB, historicamente oposição ao Fabrício, na embarcação administrativa dos altos da Dinamarca. Tomara que não sejam tão pesados que coloquem em rusco a já frágil nau do prefeito que só neste ano tem 29 pedidos de informações formulados na Câmara e, até agora, não respondeu nenhum.

OUTRO - Anteriormente o vereador Marcelo Achutti (MDB) também havia se licenciado da Câmara para assumir a Secretaria de Educação.

IMPORTÂNCIA - O casamento PL & MDB segue uma orientação estadual adotada pelo próprio governador Jorginho Melo. Para enaltecer a união, em Balneário Camboriú, deputado federal Carlos Chiodini, presidente do MDB, estará presente na solenidade.

NA CÂMARA - Com as licenças de Marcelo Achutti e Elizeu Pereira e da Delegada Magali (segunda suplente do MDB), quem assume a cadeira no Legislativo de Balneário Camboriú é o terceiro suplente, João Koeddermann.

HEREDITÁRIO - Nas veias do João correm sangue de importantes políticos que também já passaram pela Câmara. É neto de Altamiro Domingos Castilho, que chegou a presidir o legislativo, o pai, Dão Koeddermann, e o tio Gil Koddermann, também tiveram passagens importantes e marcantes pelo Legislativo. 

ELEIÇÃO - Na eleição municipal de 2020, concorrendo com o nome "João do Gelo", ele obteve 337 votos. Já assumiu por um período de 30 dias na Câmara de Balneário Camboriú. Suja permanência na Câmara desta vez pode ser de mais de um ano porque os atuais titulares que ocupam secretarias devem se desincompatibilizar do cargo em seis meses que antecedem as eleições de 2024. 

FONTE/CRÉDITOS: Elias Silveira
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!